Home / Destaque / Patrulha Maria da Penha registra aumento de denúncias

Patrulha Maria da Penha registra aumento de denúncias

De acordo com a Cabo Gerlane Oliveira, o número de denúncias vem aumentando e um dos fatores é a melhor conscientização das mulheres. Fotos: Divulgação/Arquivo

Lançado há pouco mais de dois meses, o programa Patrulha Maria da Penha – Guardiões da Vida já se consolidou como um sucesso. Nesse curto período de tempo, os quase 200 policiais militares que atuam diariamente em 42 unidades da Corporação em todo território estadual já alcançaram números promissores: 1.61 fiscalizações de medidas protetivas, 642 visitas de acompanhamento e assistência à mulher vítima e 11 prisões de agressores.

Mais de 60 mulheres foram atendidas pelo Patrulhamento Maria da Penha, no Noroeste do Estado em três meses. Esses números demonstram significativo aumento nas ocorrências de violência contra a mulher no ano de 2019, após o programa instalado. Entre elas, uma que chocou a cidade de Itaperuna foi a prisão de um idoso de 71 anos que estuprou a neta de 8 anos.

De acordo com a Cabo Gerlane Oliveira, o número de denúncias vem aumentando e um dos fatores é a melhor conscientização das mulheres. Outro fator é a capacitação dos policiais para o atendimento mais humanizado. “Agora conseguimos fazer valer a Lei Maria da Penha e buscamos cumprir o dever de proteção enquanto policial militar. A sociedade ainda vive naquela realidade de que em briga de marido e mulher não se mete a colher. Todos agora na sociedade estão com esse compromisso com as mulheres”, declarou Gerlane.

Os policiais têm o trabalho contínuo com visitas às residências das vítimas para verificar se está ocorrendo o cumprimento da medida protetiva expedida pela justiça conra o agressor. Além disso, fazem o encaminhamento para que elas possam ser tendidas em alguns lugares, como o Centro Integrado de Atendimento à Mulher, passando por atendimento social, psicológico e jurídico.

Para quem desejar denunciar no noroeste do Estado deve fazer contato com (22) 9 9267-0646, para esclarecer dúvidas e incentivar que as mulheres que sofrem essa violência denunciem. Além de realizar palestras sobre o tema nas escolas e outros locais.

Da redação da 96 FM com Ascom e Urural

DEIXE UMA RESPOSTA

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

*