Home / Destaque / Enchente aumenta risco de várias doenças. Como se proteger?

Enchente aumenta risco de várias doenças. Como se proteger?

Leptospirose, febre tifoide, diarreias bacterianas e outras infecções se beneficiam dos alagamentos

As enchentes, resultado de fortes chuvas e falta de planejamento nas cidades, ajudam a transmitir doenças pra lá de perigosas. A mais mencionada é a leptospirose, mas hepatite A, febre tifoide, diarreias bacterianas e outras infecções também se beneficiam dos alagamentos.

Para solucionar dúvidas sobre enfermidades que podem afetar quem entra em contato com a água das enchentes, buscamos informações em documentos oficiais.

Leptospirose

Apelidada de doença do rato, é transmitida pela urina dos roedores infectados que se espalha pelas enchentes. Feridas aumentam o risco da doença, mas mesmo uma pele intacta pode ser invadida pela bactéria Leptospira — se você estiver em contato com água contaminada.

A maioria dos casos tem sintomas leves, como febre e dor de cabeça. Mas há quadros graves que podem até matar. O tratamento envolve repouso, hidratação, uso de antibióticos e, eventualmente, internação na UTI para lidar com as complicações, a exemplo de insuficiência renal e sangramento no pulmão.

Hepatite A

Diferentemente da leptospirose, é causada por um vírus. Ele acessa o corpo principalmente pela ingestão de líquidos e alimentos com fezes contaminadas.

Ou seja, descarte comida ou líquidos que entraram em contato com a água da enchente, mesmo se estiverem embalados.

Também é importante verificar se a enchente afetou caixas d’água ou outros reservatórios na casa. Nesse cenário, até tomar banho poderia disseminar a doença, porque a água encosta na boca e nas mucosas.

A boa nova: na maioria dos casos, o próprio corpo se livra da hepatite A após um ou dois meses. Alguns episódios se prolongam por seis meses.

Não há tratamento específico para o vírus, porém existe uma vacina, administrada gratuitamente a crianças menores de 5 anos e a indivíduos com alguma doença no fígado.

Os sintomas incluem febre, mal-estar, náusea, vômito, dor abdominal e olhos amarelados. Em situações raríssimas, o vírus ocasiona uma hepatite fulminante, em que os danos ao fígado são severos, súbitos e podem levar a óbito.

Por outro lado, vários indivíduos com hepatite A não manifestam sinais da enfermidade. Ainda assim, podem espalhar o vírus enquanto o organismo não se livra dele.

Diarreias bacterianas

De novo, o problema é ingerir água contaminada com fezes repletas de micro-organismos nocivos.

Em geral, a diarreia e a febre tendem a sumir em dois ou três dias, mas às vezes a infecção se arrasta por mais tempo e exige antibióticos. No mais, casos intensos de diarreia geram uma desidratação preocupante.

Se, após entrar em contato com a água da enchente, você manifestar diarreia e febre, busque apoio de um profissional de saúde.

Febre tifoide

Ela até poderia ser enquadrada dentro das diarreias, mas merece um capítulo à parte por sua gravidade. Se não tratada, a doença — deflagrada pela bactéria Salmonella Typhi — pode matar.

Seus sintomas incluem febre alta, dores de cabeça, mal-estar, falta de apetite, manchas rosadas no tronco, diarreia ou constipação e tosse seca. Em situações mais graves, podem ocorrer sangramentos e até perfurações no intestino. Pneumonia e colecistite (uma inflamação na vesícula biliar) são outras complicações.

O tempo de eliminação da bactéria em geral varia de uma a três semanas, mas pode chegar até três meses. Aliás, entre 2 a 5% dos pacientes transformam-se em portadores crônicos, transmitindo a febre tifoide através das fezes por até um ano, segundo informativo do Ministério da Saúde.

Há uma vacina contra esse agente infeccioso, que confere proteção por três anos. Mas a Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim) reitera que ela é indicada para pessoas que vão a locais com alta incidência da doença, após uma análise médica criteriosa.

Para o resto da população, saneamento básico e cuidado com a ingestão de alimentos ou líquidos de proveniência duvidosa são as medidas mais eficazes de prevenção.

Tétano

A Clostridium tetani, bactéria que causa essa doença, em geral penetra o organismo por meio de cortes provocados com um objeto contaminado. E o que isso tem a ver com enchentes?

Os sintomas mais conhecidos são os espasmos musculares, embora o tétano também provoque rigidez do pescoço, dificuldade para engolir… Nas situações mais perigosas, o diafragma (músculo responsável pela respiração) pode parar de contrair adequadamente, o que compromete a respiração. Cerca de 10% das pessoas morrem.

Entretanto, há uma vacina que protege contra o tétano, distribuída gratuitamente no SUS. Essa é a melhor forma de prevenção.

Dengue

A questão, aqui, são as poças d’água que persistem após um alagamento. Principalmente no verão, elas servem de criadouro para o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue.

Essa encrenca conhecida dos brasileiros provoca, entre outras coisas, uma inflamação nos vasos sanguíneos. Em decorrência disso, os sinais de sua presença são:

• Febre acima de 38,5˚ C
• Dor de cabeça, nas articulações e muscular intensas
• Dor ao movimentar os olhos
• Mal-estar
• Falta de apetite
• Enjoo e vômitos
• Manchas vermelhas no corpo

Dor intensa na barriga, vômitos persistentes, acúmulo de líquidos nas cavidades do corpo (abdômen, coração e pulmão), sangramentos, pressão baixa e aumento do fígado são sinais de que há risco de se agravar, o que costuma acontecer após melhora da febre. Essa é a dengue hemorrágica, hoje chamada de dengue grave.

Rádio Itaperuna 96.9 FM – Fonte: Abril Saúde

DEIXE UMA RESPOSTA

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

*