Home / Destaque / Vacina contra H1N1 está prevista para 30 de abril

Vacina contra H1N1 está prevista para 30 de abril

Inicialmente, os sintomas das infecções provocadas por H1N1, H3N2 ou influenza B são iguais, como os de uma gripe comum

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe deste ano está prevista para ser realizada entre 30 de abril e 20 de maio, informou nesta segunda-feira (28/03) o Ministério da Saúde. A vacina é trivalente e oferece proteção contra os vírus H1N1, que já causou a morte de 38 pessoas no estado de São Paulo desde janeiro, H3N2 e influenza B. Crianças de seis meses a cinco anos, idosos, gestantes e pessoas com doenças crônicas devem procurar uma unidade de saúde para se imunizar.

O primeiro dia da campanha, um sábado, será também o Dia D de mobilização nacional, em que os postos ficarão abertos até mais tarde para atender a população.

Inicialmente, os sintomas das infecções provocadas por H1N1, H3N2 ou influenza B são iguais, como os de uma gripe comum, ou seja, é impossível diferenciá-las sem exames específicos. No entanto, o vírus H1N1 é potencialmente mais perigoso do que os outros por ter mais facilidade de se replicar no trato respiratório inferior (estruturas como os alvéolos, onde ocorrem as trocas gasosas).

“A característica do H1N1 é que observamos complicações pulmonares e óbitos mesmo em pessoas não pertencentes a grupos de risco, como adultos jovens e adolescentes”, afirma a infectologista Nancy Bellei, professora da Universidade Federal de São Paulo, mas isso não quer dizer que, necessariamente, o vírus vai atingir o trato respiratório inferior.

A falta de ar é um sinal precoce de complicação da gripe por H1N1. Em alguns casos, o problema surge apenas 36 horas após o início do quadro viral.

Segundo o infectologista Marcus Cardoso, do Hospital Norte D’Or, embora o estado de São Paulo esteja vivendo um surto de infecção pelo vírus, não há motivo para pânico no Rio de Janeiro.

“Há risco de a mesma situação acontecer aqui, mas o H1N1 ainda não está circulando entre a população. temos apenas casos esporádicos”, diz o médico.

Fonte: Ururau

DEIXE UMA RESPOSTA

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

*